quinta-feira, 14 de abril de 2016

Se o limbo é eterno


Carlos Nougué

Certo sacerdote defende entre seus fiéis que o limbo não é eterno. Segundo esse sacerdote, imediatamente antes do juízo final Deus dará às almas do limbo uma prova, de modo que, segundo se comportem diante dela, ou serão salvas e, unidas a seu corpo ressurrecto, ascenderão à beatitude eterna, ou, também reunidas a seu corpo, se condenarão ao fogo eterno da geena.
Mas tal “doutrina”, saída não se sabe de que fábrica, vai contra a doutrina tradicional sobre o limbo, e corrompe de algum modo a fé dos fiéis. Para o confirmarmos, mostremos, ainda que brevemente, o que dizem a este respeito o magistério da Igreja e a Tradição, para depois entregar a palavra a Santo Tomás de Aquino.

I

É certo que nunca houve uma declaração solene do magistério quanto ao limbo. Mas as seguintes palavras de Pio VI, pelas quais defendeu justamente a ortodoxia da crença no limbo contra o conciliábulo de Pistoia, devem bastar-nos para que não demos ouvidos a tão estranha tese:

«O papa declara falsa, temerária, injuriosa às escolas católicas a proposição segundo a qual deve rejeitar-se como a uma fábula pelagiana o lugar dos infernos chamado vulgarmente limbo das crianças [ou dos párvulos], no qual a alma daqueles que morrem somente com o pecado original é punida com a pena de dano [privação da visão de Deus] sem a pena do fogo» (DB 1526).

Naturalmente, a tese que combatemos aqui não nega a existência do limbo, apenas diz que é provisório. Mas as referidas palavras de Pio VI, ao reafirmarem uma doutrina ensinada pelas escolas católicas, afirmam implicitamente também que devemos segui-la por pertencer à Tradição, e a Tradição sempre sustentou a eternidade do limbo. Com efeito, os Padres da Igreja sempre sustentaram (com fundamento especialmente em João 3, 5) a exclusão das crianças não batizadas da visão beatífica de Deus. Ora, a tese combatida defende que algumas almas do limbo, vencida certa prova, terão tal visão – sem todavia estarem batizadas. Logo, incorre em negação de uma doutrina tradicional.  

II

Demos agora a palavra a Santo Tomás, transcrevendo parcialmente o artigo sexto da questão 69 (“De his quae spectant ad ressurrectionem”) do Suplemento da Suma Teológica.

«Artigo 6 ─ Se o limbo das crianças [ou dos párvulos] é o mesmo que o dos Patriarcas.

[...]
Em sentido contrário, assim como ao pecado atual é devida uma pena temporal no purgatório, e eterna no inferno, assim também ao pecado original é devida uma pena temporal no limbo dos Pais [os do Antigo Testamento], e eterna no limbo das crianças. [...]
Respondo: deve dizer-se que o limbo dos Pais e o dos párvulos diferem, sem dúvida alguma, quanto à qualidade do prêmio ou da pena. Pois as crianças não têm nenhuma esperança da vida eterna [ou seja, da beatitude eterna], [esperança] que tinham no limbo os Pais, nos quais também refulgia o lume da fé e o da graça. [...].»

III

Quanto à condição dos que estão (eternamente, insista-se) no limbo dos párvulos, já dissera o nosso Doutor Comum (In IV Sent., I.II, dist. XXX, q. 2, a. 2, ad 5):

«Apesar de as crianças não batizadas estarem separadas de Deus no que concerne à visão beatifica, não estão todavia completamente separadas dele. Ao contrário, estão unidas a Deus pela participação nos bens naturais, e podem assim gozar dele também pelo conhecimento natural e pelo amor natural».

IV

Por fim, perguntemo-nos se a tese aqui combatida não tem algum ponto de contato com a tese neomodernista que nega a ortodoxia ou a existência mesma do limbo. Sim, porque o que parece intolerável a ambas é o fato de que as crianças não batizadas se vejam privadas eternamente da visão beatífica. Mas isso é requerido, como o mostra Santo Tomás, pela justiça divina. O que não é requerido por esta, no entanto, é a mesma existência do limbo, lugar de felicidade natural que decorre da pura misericórdia de Deus.

terça-feira, 12 de abril de 2016

Datas de reinício de nossos cursos gratuitos


C. N.

• O curso A Ordem das Disciplinas segundo Santo Tomás de Aquino recomeçará na quinta-feira dia 21 de abril, às 21 horas como sempre, com a quarta e conclusiva aula de “A Necessidade da Física Geral Aristotélico-tomista”. Na próxima, falar-se-á um pouco da Matemática, mas já se tratará, inicialmente, a Metafísica ou Teologia Filosófica. – As aulas anteriores do curso encontram-se nesta página e em nosso canal do Youtube (Carlos Nougué Tomismo).
• O curso Questões Teológicas recomeçará na quinta-feira dia 28 de abril, às 21 horas como sempre, com sua nona aula sobre “A Fé”. – As aulas anteriores do curso também se encontram nesta página e em nosso canal do Youtube (Carlos Nougué Tomismo).


quinta-feira, 7 de abril de 2016

O pecado original segundo o “Compêndio de Teologia” de Santo Tomás de Aquino


Capítulo 186

Dos preceitos dados ao primeiro homem, e de
sua perfeição no primeiro estado

Como se disse acima [c. 152], o homem foi instituído por Deus em sua condição de modo que o corpo fosse de todo sujeito à alma: e que, ademais, entre as partes da alma, as virtudes inferiores se submetessem sem repugnância à razão, e a mesma razão do homem fosse sujeita a Deus. Porque porém o corpo era sujeito à alma, sucedia que não podia dar-se nenhuma paixão no corpo que repugnasse ao domínio da alma sobre o corpo, razão por que não havia lugar para a morte nem para a enfermidade no homem. Mas pela sujeição das virtudes inferiores à razão havia no homem uma onímoda tranquilidade da mente, porque a razão humana não era turbada por nenhuma paixão desordenada. E, porque a vontade do homem era sujeita a Deus, o homem referia tudo a Deus como ao último fim, e nisto consistia sua justiça e sua inocência. Mas destas três coisas a última era a causa das outras. Com efeito, se se consideram seus componentes, não decorria da natureza do corpo que não houvesse lugar nele para dissolução nem para nenhuma paixão que repugna à vida, porque era composto de elementos contrários. Semelhantemente, tampouco decorria da natureza da alma que também as virtudes sensíveis se submetessem sem repugnância à razão, porque as virtudes sensíveis naturalmente se movem às coisas que são deleitáveis segundo o sentido, as quais muitas vezes repugnam à reta razão. Era pois por uma virtude superior, ou seja, a de Deus, que, assim como uniu ao corpo uma alma racional, que transcende toda a proporção do corpo e das virtudes corporais, como as virtudes sensíveis, assim também deu à alma racional a virtude de sobre a condição do corpo poder contê-lo e às virtudes sensíveis, segundo o que competia à alma racional. A fim pois de que a razão contivesse firmemente sob si as coisas inferiores, era necessário que ela mesma se contivesse firmemente sob Deus, do qual tinha a referida virtude sobre a condição da natureza.
Portanto, o homem foi instituído de modo que, se sua razão se submetesse a Deus, nem seu corpo podia furtar-se ao império da alma, nem as virtudes sensíveis à retidão da alma: daí que sua vida fosse de certo modo imortal e impassível, porque, com efeito, não podia morrer nem padecer, se não pecasse. Mas podia pecar por sua vontade, ainda não confirmada pela aquisição do fim último, e sob este evento podia morrer e padecer. E nisto diferem a impassibilidade e a imortalidade que o primeiro homem teve e a que na ressurreição terão os santos, que nunca poderão padecer nem morrer porquanto sua vontade estará de todo confirmada em Deus, como acima se disse [c. 166]. Diferia também da outra porque após a ressurreição os homens não usarão de alimentos nem das coisas venéreas, enquanto o primeiro homem foi formado de modo que necessariamente tivesse de sustentar a vida por alimentos, e se encarregasse de dar a obra da geração, para que o gênero humano se multiplicasse a partir de um.
 Por isso recebeu dois preceitos em sua condição. Ao primeiro pertence o que lhe foi dito [Gn 2, 16]: “Come de todas as árvores que há no Paraíso”; ao segundo, o que [também] lhe foi dito [Gn 1, 28]: “Crescei e multiplicai-vos, e enchei a terra”.

Capítulo 187

Este estado perfeito se chamava justiça original,
e do lugar em que o homem foi posto

Mas este tão ordenado estado do homem se chama justiça original, pela qual ele estava submetido a seu superior, e a ele mesmo se sujeitavam todas as coisas inferiores, segundo o que dele se disse [Gn 1, 16]: “e presida aos peixes do mar, e às aves do céu”: e, entre suas partes, também a inferior se submetia à superior sem repugnância. Em verdade, este estado foi concedido ao primeiro homem não como a determinada pessoa singular, mas como ao primeiro princípio da natureza humana, de modo que por ele fosse transmitido junto com a natureza humana aos pósteros. E, porque a cada um se deve um lugar segundo a conveniência de suas condições, o homem assim ordenadamente instituído foi posto num lugar temperadíssimo e delicioso, para que se lhe suprimisse toda e qualquer vexação não só das moléstias interiores, mas ainda das exteriores.

Capítulo 188

Da árvore da ciência do bem e do mal, e do
primeiro preceito dado ao homem

Porque porém o referido estado do homem dependia de que a vontade humana se sujeitasse a Deus, para que desde o princípio se acostumasse a seguir a vontade de Deus, Deus propôs ao homem alguns preceitos, a saber, que comesse de todas as árvores do Paraíso, proibindo-lhe todavia com ameaça de morte que comesse da árvore da ciência do bem e do mal; e sem dúvida se proibiu que comesse desta árvore não porque fosse de si má, mas para que o homem ao menos nesta pequena coisa observasse algo pela simples razão de que era preceituado por Deus: daí que comer desta árvore se tenha tornado mau, porque proibido.
Mas tal árvore se dizia da ciência do bem e do mal não porque tivesse virtude causativa da ciência, mas pelo evento sequente, ou seja, porque o homem por ter comido dela aprendeu por experiência a distância que medeia entre o bem da obediência e o mal da desobediência.

Capítulo 189

Da sedução de Eva pelo Diabo

Por conseguinte, o Diabo, que já pecara, vendo o homem de tal modo instituído para a felicidade perpétua de que ele caíra, e que [aquele] igualmente poderia pecar, empreendeu desviá-lo da retidão da justiça atacando o homem pela parte mais fraca, ou seja, tentando à mulher, na qual menos vigia o dom ou a luz da sabedoria: e, a fim de incliná-la de modo mais fácil à transgressão do preceito, excluiu mendazmente o medo da morte, e prometeu-lhe o que o homem naturalmente apetece, isto é, a evitação da ignorância, dizendo [Gn 3, 5]: “se abrirão vossos olhos”; e a excelência da dignidade: [“sereis como deuses”; e a perfeição da ciência:] “conhecendo o bem e o mal”. O homem, com efeito, da parte do intelecto naturalmente foge à ignorância, e apetece a ciência; mas da parte da vontade, que é naturalmente livre, apetece a excelsitude e a perfeição para não estar submetido a ninguém, ou ao menor número possível.

Capítulo 190

O que induziu a mulher [a pecar]

A mulher, portanto, cobiçou a excelsitude prometida e ao mesmo tempo a perfeição da ciência. Para isso concorreram também a beleza e a suavidade do fruto, o que incitava a comê-lo, e assim, desprezando o medo da morte, transgrediu o preceito de Deus de não comer da árvore proibida: e assim seu pecado se encontra multiplicado. Em primeiro lugar, sem dúvida, [é] de soberba, porque apeteceu desordenadamente a excelência. Em segundo, de curiosidade, porque cobiçou uma ciência para além dos limites prefixados. Em terceiro, de gula, porque a suavidade do alimento a excitou a comê-lo. Em quarto, de infidelidade, pela falsa estimação de Deus, enquanto creu nas palavras do Diabo contra o que dissera Deus. Em quinto, de desobediência, por transgredir o preceito de Deus.

Capítulo 191

De que modo chegou ao homem o pecado


Mas por persuasão da mulher o pecado logo chegou ao homem, que, todavia, como diz o Apóstolo [1 Tim 2, 14], não foi seduzido como a mulher, quer dizer, não creu nas palavras do Diabo contra o que dissera Deus. Com efeito, não podia entrar em sua mente que Deus tivesse podido cominar algo mendazmente, nem proibir inutilmente uma coisa útil. Foi induzido, contudo, pela promessa do Diabo, apetecendo indevidamente a excelência e a ciência. Com isso sua vontade se desviava da retidão da justiça, e, querendo atender ao capricho da mulher, secundou-a na transgressão do divino preceito, comendo do fruto da árvore proibida.

Se o pecado de nossos primeiros pais foi pecado de concupiscência ou de gnose


Carlos Nougué

Sempre foi muito difundida entre o povo cristão, e especialmente entre seus pintores e outros artistas, a concepção de que o pecado original foi antes de tudo um pecado de concupiscência; sinal de tal difusão é a grande quantidade de pinturas que, retratando a Adão e a Eva nus ou seminus, mostram esta oferecendo àquele uma suculenta e sedutora maçã vermelha.[1] – Em tempos recentes, por outro lado, estudiosos da gnose insistiram em que o pecado original foi antes de tudo um pecado justamente de gnose.
Mas nenhuma dessas duas opiniões se sustenta, especialmente porque nenhuma delas se segue do consentimento unânime ou quase unânime dos Padres quanto a este assunto (e, como se sabe, não é lícito contrariar tal consentimento, em especial quando se trata de exegese bíblica); nem da doutrina de Santo Tomás de Aquino, o Doutor Comum da Igreja por determinação do magistério eclesiástico; nem, sobretudo, deste mesmo magistério, ao qual devemos dócil e humilde assentimento.[2]      

I

Com efeito, lê-se no Catecismo da Doutrina Cristã de São Pio X (o catecismo de 1912):
70. Che peccato fu quello di Adamo?
II peccato di Adamo fu un peccato grave di superbia e di disubbidienza”, ou seja:
“O pecado de Adão foi um pecado grave de soberba e de desobediência”.
Explica-o Santo Tomás (na Suma Teológica, I-II, q. 82, a 3): “Cada coisa tem a espécie por sua forma. Ora, disse-se mais acima que a espécie do pecado se toma de sua causa. Por conseguinte, é necessário que o que nele é formal se defina por tal causa. Como todavia as coisas opostas têm causas opostas, por isso mesmo se deve estabelecer a causa do pecado original por seu oposto, que é a justiça original [ou seja, o estado em que foram criados Adão e Eva]. Mas toda a ordenação da justiça original vinha de que a vontade humana estivesse sujeita a Deus. Tal sujeição se dava, antes de tudo e sobretudo, pela vontade, porque é à vontade que corresponde mover a seu fim todas as outras partes da alma, como se disse mais acima. Assim, foi do afastamento da vontade [de Adão e Eva] de Deus [o que constitui, propriamente, o pecado de soberba e de desobediência de que fala o catecismo] que se seguiu a desordem em todas as outras potências da alma [tanto em Adão e Eva como em sua descendência].
Desse modo, a privação desta justiça [a original] pela qual a vontade se submetia a Deus é o formal no pecado original: toda e qualquer outra desordem das potências da alma se tem no pecado original como algo material. Mas o que constitui a desordem das outras potências da alma é sobretudo que elas estejam voltadas para um bem mutável, desordem que pode chamar-se pelo nome comum de concupiscência. E, assim, o pecado original é materialmente a concupiscência, mas formalmente é a ausência da justiça original”.  
É verdade que, como dizem Santo Tomás e numerosos Padres, não deixou de haver no pecado original dupla sedução: antes de tudo, da serpente com respeito a Eva, pela promessa de que se ela e Adão comessem da proibida árvore da ciência do bem e do mal de modo algum morreriam, porque “Deus sabe que, em qualquer dia que comerdes dele [o fruto da árvore proibida], se abrirão vossos olhos, e sereis como deuses, conhecendo o bem e o mal. Viu pois a mulher que (o fruto) da árvore era bom para comer, e formoso aos olhos, e tirou do fruto dela e comeu; e deu a seu marido, que também comeu. E os olhos de ambos se abriram; e, tendo conhecido que estavam nus, coseram folhas de figueira, e fizeram para si cinturas” (Gn 3, 4-7). Depois, de Eva com respeito a Adão, como se vê pelas mesmas palavras do Gênesis que se acabam de citar. Mas a sedução da mulher pela serpente, conquanto de fato tivesse precedido a ação de pecar, foi todavia subsequente a um pecado de soberba, interior. Com efeito, observou Santo Agostinho (citamo-lo de memória): “A mulher não teria crido nas palavras da serpente se já não tivesse no espírito o amor de seu próprio poder e certa presunção soberba de si mesma”. E diga-se o mesmo com relação a Adão: não se teria deixado levar a agir contra o formal da justiça original se já não tivesse no espírito algum amor-próprio e certa presunção de si mesmo. Repita-se, pois, com Santo Tomás, que o pecado original pôde envolver materialmente alguma concupiscência, mas formalmente se constituiu em contrariedade da justiça original, ou seja, em negação da devida sujeição da vontade a Deus.

II

A gnose, no sentido que nos interessa aqui, começou antes de Cristo. Parece ter sua origem no bramanismo, e ressurgir, na antiga Grécia, no âmbito dos mistérios órficos e da seita pitagórica (com ecos em Platão). Sua doutrina cifra-se na crença de que a salvação do homem se dá mediante o conhecimento da divindade alcançado por esforço ascético e intelectual próprios. Depois de Cristo, sem deixar de cifrar-se nessa crença, a gnose adquire novos caracteres, e não raro vem no bojo de alguma heresia cristã.
Por certo os referidos estudiosos se fundaram nas mesmas palavras do Gênesis transcritas mais acima para afirmar que o pecado original foi antes de tudo um pecado de gnose. Com efeito, Adão e Eva comeram da árvore da “ciência [e gnose quer dizer etimologicamente ‘conhecimento, ciência’] do bem e do mal”, porque se deixaram seduzir pelas palavras da serpente: “se abrirão vossos olhos [ou seja, conhecereis, tereis ciência] e sereis como deuses”. Trata-se, porém, de conclusão precipitada, pelas seguintes razões.
• Em primeiro lugar e segundo o dito mais acima, ainda que nossos primeiros pais se tenham deixado seduzir também por uma promessa de certo conhecimento ou ciência, a apetência desta constituiu, como certa concupiscência, parte o material do pecado original, não seu formal, que continuaria a ser a negação soberba da devida sujeição da vontade a Deus.
• E, em segundo lugar, está o que se lê no Catecismo Maior de São Pio X (ao menos em sua versão brasileira, mais precisamente em sua “Breve história da Religião”):
19. [Deus] Havia-lhes permitido [a Adão e Eva] que comessem de todos os frutos do Paraíso terrestre, proibindo-lhes apenas que experimentassem o fruto de uma árvore que estava no meio do Paraíso, e que a Escritura chama árvore da ciência do bem e do mal. Chama-se assim porque Adão e Eva, por sua obediência, teriam conhecido o bem, isto é, haveriam tido aumento de graça e de felicidade; ou, como castigo de sua desobediência, deveriam decair, eles e seus descendentes, daquela perfeição e experimentar o mal, tanto espiritual como corporal.
Queria Deus que Adão e Eva, com a homenagem dessa obediência, o reconhecessem como a seu Dono e Senhor.
O demônio, invejoso de sua felicidade, tentou Eva, falando-lhe por meio da serpente, e instigando-a a desobedecer à proibição recebida. Eva, então, tomou o fruto proibido, comeu, e induziu Adão a que também ele o comesse, e ambos pecaram”.
Pois bem, dizer bem e mal é dizer respeito também ao agir, ao prático, e à vontade: e o conhecimento buscado tanto pela gnose pré-cristã como pela pós-cristã é antes da ordem do estritamente especulativo, servindo-lhe a ascese de mero meio. Ora, como acabamos de ver também pela citação do Catecismo Maior, a sujeição a Deus que constituía a justiça original era antes de tudo da vontade, e a serpente disse a Eva que eles seriam como deuses antes de tudo por quebrantar o formal da justiça original. É verdade que o quebrantamento da devida sujeição a Deus e à lei natural também está presente nas seitas gnósticas, sobretudo as pós-cristãs. Mas seu fim segue sendo a salvação pelo conhecimento perfeito da divindade que seus sectários ou iluminados alcançariam graças a seus próprios esforços, fosse possível tal conhecimento nesta vida: não o é senão sob a luz da glória para os salvos pela misericórdia de Deus. Mas os salvos por sua misericórdia não o são por terem conhecido mais que outros a Deus, e sim sobretudo por o terem amado: porque nesta vida, como diria Santo Tomás de Aquino, mais vale amar que conhecer a Deus, para na outra vida amá-lo indefectivelmente justo por conhecê-lo por essência.

Em tempo. Nosso próximo artigo será sobre o limbo, e visará principalmente a desfazer um engano que se difundiu e se segue difundindo entre numerosos católicos.




[1] Aliás, em nenhum momento o relato do Gênesis diz que o fruto da árvore da ciência do bem e do mal fosse maçã nem nenhum outro que conheçamos.
[2] Trata-se aqui, esclareça-se, do magistério propriamente ou analogamente infalível e do meramente autêntico que se aproxime daquele em certeza.

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Simples perguntas a um sofista:


Carlos Nougué

Moisés e São Pedro, árvores boas, pecaram ou não pecaram? E o pecado é um bom fruto? E Balaão, árvore má, profetizou ou não profetizou verdadeiramente? E a profecia é um mau fruto? E você, jovem sofista, nunca pecou? Espero sinceramente que, apesar disso, seja uma árvore boa. Etc. Nada disto nega o dito por Cristo: porque se trata de outro aspecto da questão. Reza o princípio da contradição: Algo é e não pode não ser este mesmo algo ao mesmo tempo e pelo mesmo aspecto – o que é o mesmo que dizer: Algo é e pode ser outro algo por outro aspecto.
A vida moral de quase todos é cheia deste outro aspecto. É o que se lê na própria citação de Rábano que o sofista faz sem entender: O homem se considera como árvore boa ou má segundo sua vontade seja boa ou má. Os frutos são suas ações, que não podem ser boas quando são produtos de uma má vontade, nem más quando o são de uma boa. O homem se considera como árvore boa ou má segundo sua vontade seja boa ou má”. Insista-se: quem além de Cristo, de sua Mãe e talvez de alguns poucos santos nunca teve uma vontade má? Você, jovem sofista?
E basta: porque, com efeito, não nos devemos degradar discutindo interminavelmente com quem se move por pura ignorância soberba.