Páginas

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Carlos Nougué funda a ESCOLA TOMISTA, uma universidade tomista online



Carlos Nougué

I

Como digo em vários lugares, meus esforços filosóficos e docentes voltam-se 1) para o estabelecimento do devido ordo sustentationis e pois da devida ordem pedagógica das disciplinas (refiro-me às ciências alcançáveis pela razão e às artes liberais) e 2) para o aprofundamento destas sempre que necessário. Sem dúvida, também me volto para a Teologia Sagrada (que ocupa mais da metade das 400 páginas de meu livro Do Papa Herético e outros opúsculos), a ciência cujas conclusões não podem ser contraditas por nenhuma outra ciência nem por nenhuma arte, justo porque 1) a Teologia Sagrada é não só especulativa mas prática (conquanto seja antes especulativa que prática), 2) tem por sujeito a Deus enquanto Deus ou sob a razão de Deus e 3) parte de princípios revelados por Deus mesmo – tudo o que lhe dá segurança e certeza máximas. Mas o fato é que Santo Tomás de Aquino, se nos legou uma doutrina teológica sagrada perfeitamente sistematizada, não nos legou, todavia, uma doutrina filosófica sistematizada, ainda que nos tenha deixado todas as premissas para que a empreendêssemos nós.
O sacerdote argentino Álvaro Calderón – o contemporâneo nosso que, contra a incompreensível incredulidade de alguns, é um dos maiores mestres auxiliares de Santo Tomás – foi o grande iniciador de tal sistematização filosófica, e dá-lhe magnífico prosseguimento com os oito tomos físicos de La naturaleza y sus causas (dois dos quais já publicados). Busco participar eu também desta sistematização, o que se pode ver pelos frutos de minha atividade:
a) Seis livros já escritos:
Suma Gramatical da Língua Portuguesa (São Paulo, É Realizações, 3.ª ed., 2017, 608 pp.);
Estudos Tomistas (Formosa, Edições Santo Tomás, 2016, 192 pp.);
Do Papa Herético e outros opúsculos (Formosa, Edições Santo Tomás, 2017, 406 pp.);
Da Necessidade da Física Geral Aristotélico-tomista, estudo introdutório de cerca de 120 pp. à minha tradução do Comentário de S. Tomás à Física de Aristóteles (São Paulo, É Realizações, cerca de 700 pp., por publicar ainda em 2017);
Do Verbo Cordial ao Verbo Vocal (São Paulo, É Realizações, cerca de 700 pp., por publicar ainda em 2017);
Das Artes do Belo (Formosa/São Luís, Edições Santo Tomás/Resistência Cultural, cerca de 700 pp., por publicar em meados de 2018);
b) Cinco cursos online pagos e um gratuito:
• Para Bem Escrever na Língua Portuguesa (64 horas, 32 aulas, com apostilas, exercícios e respostas a perguntas);
• Por uma Filosofia Tomista (60 horas, 30 aulas, com respostas a perguntas);
• A Existência de Deus e a Criação do Mundo segundo S. Tomás de Aquino (24 horas, 12 aulas, com respostas a perguntas);
• O Melhor Regime Político segundo S. Tomás de Aquino (24 horas, 12 aulas, com respostas a perguntas);
• História da Música Erudita Ocidental (24 horas, 12 aulas, com respostas a perguntas, ainda em gravação das últimas aulas);
• A Ordem das Disciplinas segundo S. Tomás de Aquino (12 aulas, gratuito).
c) Tradução de várias obras de Cícero, de Santo Agostinho, de São Bernardo de Claraval, de Santo Tomás de Aquino.
Pois bem, é para dar continuidade, em patamar superior, a tal sistematização, e para contribuir para a formação de uma sólida corrente tomista, que empreenderei uma Escola Tomista online, composta de duas partes. Na primeira, ministrar-se-á a maior parte das ciências alcançáveis pela razão e as artes liberais, ou melhor, sua parte principal. Na segunda, a Teologia Sagrada segundo a Suma Teológica de Santo Tomás de Aquino. Naturalmente, não pode deixar de algo de longa duração, o tempo de uma faculdade ou de um seminário, talvez mais. Mas não é senão formando pessoas nestas disciplinas de modo profundo e exaustivo e segundo a devida ordem que se poderá ter no Brasil uma elite intelectual em toda a extensão do termo, porque, com efeito, só será tal se for aristotélico-tomista. E só depois de formada tal elite é que será possível formar adequadamente adolescentes e jovens em escolas e em universidades efetivamente católicas ou numa educação doméstica de fato profícua.                
II

Eis o programa dos dois cursos da Escola Tomista.

Parte 1

1. Introdução filosófica às diversas ciências e às diversas artes: as primeiras noções.
Observação. Mostrar-se-á, antes de tudo, o que são as ciências e as artes, e de que modo as artes podem dizer-se ciências, e as ciências artes (especialmente liberais). Mostrar-se-á, ainda, a distinção entre arte e experiência.
2. A Gramática.
Observação 1. Não se estudará a Gramática (nem a portuguesa nem a latina) em sua parte normativa propriamente dita, mas apenas em seus fundamentos.
Observação 2. Aqui também se tratará a arte da Tradução não literária.
3. A Lógica ou ciência-arte propedêutica a todas as demais ciências e a todas as demais artes.
a) Introdução e a Lógica em si mesma.  
b) O tratado dos predicáveis.
c) A querela dos universais.
d) As categorias ou predicamentos.
e) Os análogos e os análogos supremos (os transcendentais).
f) O tratado da proposição.
g) O tratado da figura do silogismo.
h) O tratado da demonstração.
Observação. Em todo o estudo da Lógica mais propriamente dita ou stricto sensu, ter-se-á de tratar criticamente a doutrina de muitos tomistas.
i) As partes potenciais da Lógica.
 A Dialética, ou tratado da investigação do provável.
 A Retórica, ou a arte de fazer tender ao verossímil mediante o bem e o justo.
 A Poética, ou a arte de fazer tender ao bom e ao verdadeiro mediante o belo.
Observação 1. Aqui se mostrará que o conjunto das artes do belo, desde a Poética propriamente dita até às demais (Música, Escultura, etc.), tem o mesmo fim. Mas, se a razão de parte potencial da Lógica que deve dar-se à Poética (assim como à Retórica) é mais frágil que a que deve dar-se à Dialética, mas ainda é própria, haverá portanto que mostrar se se pode dar a mesma razão às demais artes do belo.
Observação 2. Também se tratará a arte da Tradução literária.
• Os elencos sofísticos, ou o tratado das falácias ou sofismas.
4. As ciências práticas do agere.
a) A Ética, ou ciência do autogoverno.
b) A Econômica, ou ciência do governo doméstico e de seu desdobramento na pólis.
c) A Política, ou ciência do governo da pólis.
Observação 1. A Prudência docens ou Ética é verdadeira ciência (prática), mas não é arte de modo algum, enquanto a Prudência utens ou Prudência propriamente dita não é ciência de modo algum, mas se diz arte em sentido amplo.
Observação 2. Aqui também se tratará, ainda que algo sumariamente, o Direito.
Observação 3. Diga-se o mesmo da História.
5. A Física Geral, ou ciência genérica do ente móvel.
Observação 1. Lançar-se-á um olhar às partes subjetivas da Física Geral:
a) a Cosmologia ou ciência física do ente segundo o lugar;
b) a Química ou ciência física do ente segundo a geração e a corrupção;
c) a Biologia ou ciência física do ente segundo o aumento e a diminuição;
d) a Psicologia ou ciência física do ente segundo alteração.
Observação 2. A alteração é a espécie de movimento relativa às qualidades, e as qualidades por antonomásia são as virtudes intelectuais e morais do homem. Mas a Psicologia ou Antropologia, enquanto trata precisamente a parte intelectivo-volitiva da alma humana, obviamente não é ciência física. Logo, a Psicologia é uma como ciência média entre a Física e a Metafísica, o que decorre da mesma natureza humana. Estudar-se-á detidamente.
Observação 3. Tratar-se-ão, criticamente, as chamadas “ciências modernas”, e muito especialmente o darwinismo e a relatividade einsteiniana.
Observação 4. Mas também há que corrigir e atualizar a doutrina aristotélico-tomista quanto a algumas das partes subjetivas da Física Geral, muito especialmente a Cosmologia.
6. A Matemática ou ciência do ens quantum.
a) A Aritmética ou ciência matemática das quantidades discretas.
b) A Geometria ou ciência matemática das quantidades contínuas.
Observação. No curso, não se tratará a Matemática detidamente, sobretudo porque esta atingiu tal grau de complexidade, que só um especialista seria capaz de ensiná-la. Mas dar-se-ão suas notas gerais.
7. A Metafísica (ou Filosofia Primeira, ou Teologia Filosófica), ou ciência do ente enquanto ente.
Apêndice: História da Filosofia: Do Impulso Grego ao Abismo Moderno
Observação. Algo do que se dirá aqui já terá sido tratado, profundamente, ao longo do curso.
1. A Filosofia Pagã Clássica:
a) Os pré-socráticos:
• Os naturalistas; Pitágoras e os pitagóricos; Xenófanes e a Escola Eleática; Empédocles; Anaxágoras; os atomistas; o ecletismo; a decadência sofística.
b) Sócrates: a abertura da estrada real da filosofia.
c) Os socráticos menores: decadência.
d) Platão.
e) Aristóteles: a Filosofia por antonomásia.
f) Entre o período helenístico e o fim da era pagã – longa decadência:
• As escolas socráticas, platônicas e aristotélicas; o estoicismo; cepticismo e ecletismo.
g) O neoestoicismo romano.
h) Andrônico, o renascimento do aristotelismo e o neoaristotelismo de Alexandre de Afrodísias.
i) Epicurismo, pirronismo, cepticismo e cinismo tardios.
j) Fílon de Alexandria.
k) Médio-platonismo e neopitagorismo.
l) O neoplatonismo:
• Plotino e seus discípulos, em especial Porfírio.
2. O Filosofar Cristão.
§ Não se tratará aqui a Teologia Sagrada. Mas ter-se-ão sempre em conta as luzes que ela projeta sobre a mesma Filosofia.
a) Os Padres e Santo Agostinho.
b) A Escolástica até Santo Tomás de Aquino.
§ Avicena e Averróis.
c) A decadência:
• Duns Scot; Ockham e o nominalismo.
d) A reação tomista ao scotismo e ao nominalismo: seus méritos, seus defeitos:
• Os primeiros; o Cardeal Caetano; Salamanca; João de Santo Tomás; et alii.
e) Fora do tomismo:
• Nicolau de Cusa.
• O ecletismo de Suárez.
3. A Filosofia Moderna ou o Antiaristotelismo:
a) O surgimento no Renascimento da mal chamada ciência moderna (e suas sementes humanistas).
• Giordano Bruno, Bacon, Gassendi, Galileu; Maquiavel; et alii.
b) De Descartes a Leibniz:
• Descartes; Pascal; Malebranche; Spinoza; Leibniz.
c) De Hobbes a Hume:
• Hobbes; Locke; Newton; Berkeley; Hume.
d) De Wolf a Kant:
• A Ilustração francesa; a Ilustração alemã; Vico; Kant.
e) De Fichte a Nietzsche:
• Fichte; Schelling; Hegel; Schopenhauer; Kierkegaard; o primeiro materialismo; o neokantismo; Nietzsche.
§ O marxismo e o darwinismo.
f) De Bentham a Merleau-Ponty:
• Bentham; Spencer; Mill; Spencer; o idealismo anglo-saxão; o pragmatismo; Moore; Russell.
§ Whitehead.
• Maine de Biran; Comte e o positivismo; Ravaisson; Husserl e a fenomenologia; Bergson; Heidegger; Sartre; Merleau-Ponty.
§ O modernismo “católico”.
§ O neotomismo.
§ A Psicanálise, a Sociologia e a Linguística.
§ Louis Lavelle e Xavier Zubiri.
g) O fundo do abismo contemporâneo.

Parte 2

§ A Sagrada Teologia, ou ciência de Deus enquanto Deus (ou sob a razão de Deus) – a única das ciências que é simultaneamente especulativa e prática e cujos princípios não se alcançam pelas luzes da razão
Observação. O curso fundar-se-á inteiramente na Suma Teológica de Santo Tomás de Aquino, incluído seu Suplemento.

Observação geral 1. Dar-se-á sempre, ao longo de ambos os cursos, a devida bibliografia.
Observação geral 2. Os alunos poderão sempre escrever ao professor suas dúvidas relativas aos cursos; e as respostas do professor ficarão disponíveis, por escrito ou em vídeo, para todos os alunos. Não raro, todavia, a resposta não será individual, mas a um conjunto de perguntas de dois ou mais alunos.

Observação final. Assim que possível, fornecerei os dados concretos sobre a Escola Tomista (valor mensal por aluno, data de início da Escola, periodicidade das aulas, inscrições, desconto para os que já são meus alunos, certificado, etc.).